sexta-feira, setembro 11, 2015

A NOSSA FALADURA -CCXXXVIII - CÓFIA

De algum modo, quando olhamos para as mitologias e divindades dos antigos, mormente as greco-romanas, que nos estão mais na matriz, rimo-nos daquelas fabulosas histórias e acontecimentos que justificam os mais diversos comportamentos dessas entidades sobrenaturais...
Consideramos ridículas muitas acções e situações que as diferentes divindades nos proporcionam. Nós, que somos educados e formatados para uma mitologia de deus único, entendemos que aqueles nossos antanhos eram uns mentecaptos que tinham um deus para tudo...
Com o advento do cristianismo e, mormente, depois do édito de Milão, promulgado por Constantino em 313 que a tornava como religião oficial do império romano, essas divindades desapareceram e o deus uno e trino ocupou o lugar cimeiro em matéria de religiosidade. Foi sol de pouca dura já que logo após a morte de Constantino ocorre a tetrarquia imperial e o cristianismo começa a sofrer as primeiras cisões com a ortodoxia oriental e com os coptas no Egipto. Muitas outras cisões ocorreram ao longo dos tempos: basta lembrar os cárpatos, os albigenses e mais tarde a Reforma com Lutero, Calvino, Huss, Henrique VIII,... e mais na actualidade a igreja dos santos dos últimos dias, a iurd, a piniel, a maná e toda uma plêiade de derivados do cristianismo que seria fastidioso enumerar, para além de nunca ficar completa. Fiquemos, pois, por aqui...
Deixando de fora o judaísmo, a mas antiga religião monoteísta, mas que sempre ficou muito circunscrita e confinada, a outra grande religião monoteísta é o islamismo. A sua expansão é hoje incrível  e são também conhecidas algumas diferenças de interpretação do livro fundamental que é o Corão.
No que aqui nos diz respeito é de assinalar que o islão nasce também ele, a partir da Bíblia ou, se preferirmos, da Torah.
Javé prometeu um filho a Abraão donde derivaria toda a descendência de Israel. Ora, a esposa de Abraão, Sara, era estéril e ela, querendo que Abraão deixasse descendência ofereceu-lhe a escrava Agar para que ele tivesse com ela um filho. Assim foi: nasceu Ismael. Só que os judeus e depois os cristãos entenderam que o bastardismo de Ismael não correspondia à promessa de Javé. Tanto assim que Sara acaba por conceber, já idosa, um filho de Abraão,que chamou de Isaac que será depois o pai de Jacob, o tal que desposou Raquel, serrana bela, filha de Labão, que daria origem às doze tribos de Israel. Para o Judaísmo e para o cristianismo é Isaac o filho legítimo de Abraão, sendo que os cristãos acreditam que o Messias, Cristo, descende  da linhagem de Isaac, enquanto os judeus ainda esperam a vinda do Messias. Maomé e os seus seguidores entendem que o filho de Abraão que cumpre a promessa de Javé é Ismael e portanto derivaram a descendência até Maomé que é avisado da sua missão pelo arcanjo Gabriel, exactamente o mesmo que anunciara a Maria a sua gravidez sem intervenção humana....
Assim sendo o grande patriarca das três religiões monoteístas que mais influência exercem e exerceram no Ocidente é Abraão.
Já para aqui vai muita história...
Vai já longe o tempo em que eu, puto reguila, passava as tardes soalheiras de Verão com a minha bisavó paterna, Isabel, vizinha da velha Menas e da velha Manata , enquanto os meus pais faziam os quintos lá para a serra da raposa e da marvana.. Eu corria lagariça acima, lagariça abaixo, empurrando o arco e elas, sentadas em tropessos de cortiça, à sombra e junto à ombreira da porta de uma delas, dedicavam-se à cófia, fiando o linho de roca e fuso na mão. Na altura o empedrado que actualmente percorre toda a Lagariça não existia, salvo em poucos espaços. Cansado do arco, de vez em quando lá me sentava junto delas e tornava-me o alvo das atenções. Foi com elas que aprendi muitas lenga-lengas que, com mágoa, já não sou capaz de reproduzir. Ainda assim deixo-vos estas: "Pipa velha, pipa nova, foi ao mar arrebentou, aqui está meus senhores quem se cagou"; sarra madeira no cu do zé peneira, lá vem o leão com a tranca na mão, feijões pra mim, cagalhões pra ti; pico pico sarapico, meu compadre zé penico, foi ao mar buscar sardinha para o filho do luís que está preso pela ponta do nariz, três cavalos a correr, três meninas a aprender, qual será a mais bonita que se irá esconder...
Pois é, o tempo tudo leva e tudo traz...
Por isso tal como a cófia já desapareceu da prática diária das mulheres à ombreira da porta e estas lenga-lengas já ninguém as diz, quem nos garante que daqui a dois mil anos ainda se pratiquem quer o cristianismo quer o islamismo ou o judaísmo. Pode ser que outras religiões e outros deuses ocupem o espaço sagrado da humanidade
E que bom seria que não se cometessem tantos crimes hediondos como aqueles a que hoje assistimos, tudo em nome de deus!
O mal já não é só de agora: Gregório IX institucionalizou a inquisição em 1231 e já antes as cruzadas combatiam os hereges desde 1095 até 1272. Em Espanha a Inquisição atingiu foros inimagináveis com Tomás Torquemada e chegou até ao sec XIX. O Islão iniciou-se mais tarde: em Meca no ano de 610 e confirmar-se-ia com a Hegira (fuga de Maomé de Meca para Media) em 622.
Será por isso que na actualidade as chachinas, ainda em nome de deus, sobretudo perpetradas por seguidores de Alá,contra todos os infiéis, estão cada vez mais acesas.
Só vos lembro que hoje é dia 11 se Setembro!
XXXXIIIIIIIIIIIIGGGGGGRRRRRRRRAAAAAAAAAAAANNNNNNDDDDDDDDEEEEE

4 comentários:

pratitamem disse...

Em nome de Deus! dizes bem amigo Vitor. Toda a desgraça da humanidade e do fim da sua casa, a abençoada Terra, será em nome de deus! Como muito bem dizes, nessa esperança da existência da Humanidade daqui a dois mil anos, outros Deuses se faraó senhores, espero que criados pela humanidade, mas como oportunamente escreveste, as maquinas já dominam e então o pior desses Deuses, já não será servir em nome da morte, mas algo desconhecido certamente aterrador para os atuais humanos!...
Em qualquer dos casos, abraço a nossa sobrevivência em quanto povo, NÃo enquanto...povo até lá. Digo, que sem fé não tenho fé de lá chegar., mormente a fé de lá chegar não chegar a ser fé. Queria mesmo era falar com ele! Obrigado na mesma....

Manuel Rebordao disse...

Deus está morto: mas, considerando o estado em que se encontra a espécie humana, talvez ainda por um milénio existirão grutas em que se mostrará a sua sombra.

pRATITAMEM disse...

Não! Deus aparece vivinho! como nunca, ou como sempre! Nessa glória., nessa matriz, de sempre, aquele que nunca deixou de entreter aqueles de que dele se ocupam, somando aqueles de que dele nada resolvem mormente o facto, de que dele tudo tiraM! A nossa vida acontece sempre nessa máxima que nos vai mantendo, entre a procura e o fim que nunca aparece, esse fim que tarda em dar noticia, como se dela depende-se o nosso fim! O nosso fim é absoluto, sendo assim não vale a pena tanta vontade, em descobrir essa verdade imensa... Digo eu! Mais vale ler poesia positiva!
TIPO: Eu gosto muito de ti!..

pratitamem disse...

nsh368A.tmp - parece que temos um virus no basagueda!?...