terça-feira, dezembro 22, 2009

A NOSSA FALADURA - CXLVII - ESCARAMOUÇO

O natural é o caos e não a ordem. Só há bem pouco tempo esta asserção começou a fazer sentido. Na verdade, na sua incontida ânsia de tudo prever e controlar, o ser humano esforçou-se por ter um conhecimento semelhante ao divino. O próprio Galileu disse que "quando temos dos fenómenos da natureza um conhecimento matemático, o nosso conhecimento desse fenómeno iguala o conhecimento divino". Estabeleceu no entanto diferença marcante: por muitos fenómenos que se conheçam, todos eles não passam de uma insignificância, face ao que há para conhecer e que Deus conhece desde todo o sempre e sem precisar de fazer cálculos.
À medida que a tecnologia foi avançando, as certezas de antanho foram sendo abaladas, caíu-se num indeterminismo ou incerteza em que a ciência gravita hoje refugiando-se num probabilismo que tudo justifica, mesmo os erros. Finalmente o erro ganhou importância e o seu aparecimento frequente não esmorece a investigação, antes a espevita e incendeia. O probável é o crível e o crível não é certo. A certeza é inimiga da verdade como o óptimo é inimigo do bom.
Foi o contributo dos novos pensadores das ciências sociais que chamou a atenção para este fenómeno e, claro, como quem faz ciência é o homem e este continua a ser"ESSE DESCONHECIDO", como bem disse Alexis Carrell, então, fácil é deduzir que se ele nem a si se conhece não lhe será possível conhecer o resto do Universo. Refugia-se então na probabilidade, não porque goste, mas devido ao reconhecimento das suas incompetências mentais e intelectuais, tecnológicas,... . Volvamos a Galileu: «o que para o homem é de dificílima inteligibilidade é para a natureza de facílima execução.»
Esta aceitação do indeterminismo não é pacífica porque a ciência, ela mesma, para progredir, tem que partir do princípio de que aquilo que sabe e em que assenta o seu saber, é seguro e lhe permite projectar para o futuro. Nós, vítimas desse saber, vamos usufruindo o que nos vão pondo à disposição. Facto é que, aos poucos a tal ordem científica com o seu método de rigor põe ao nosso serviço um sem número de benesses que nos são muito úteis se as soubermos usar bem. Sirva de exemplo o telemóvel, ou o automóvel ou um simples frigorífico...,vacinas, que sei eu!?
É nesta crença de que as coisas acontecerão como se previa que o progresso vai acontecendo e, seja de erro em erro, ou de verdade em verdade, do que não restam dúvidas é que a humanidade vai cada vez tendo mais comodidades e não vem aqui ao caso discutir se isso é vantajoso ou se é prejudicial.
Estamos prépreparados para a ordem, o método, o seguidismo. Basta experimentar dizer o alfabeto em sentido inverso e logo vemos quão vantajoso é termos connosco a ordem clássica das letras.
Vem isto tudo ao caso por causa do nosso termo de hoje: escaramouço.
A malta do meu tempo vivia na angústia permanente de ir à tropa e ser destacado para uma qualquer das ex-províncias. Se havia alguns ofícios que na tropa eram um luxo: padeiros, por ex, outros havia que eram uma convivência com o perigo e esses eram a grande maioria.
Tira Linhas foi como enfermeiro para Moçambique. Passava a maior parte do tempo no Hospital militar já que o seu trabalho era conceituado, apreciado e respeitado.
Um dia, porém, contou-me ele numa daquelas faenas gastronómicas, desta vez no quintal do Isidorico (já lá está...), em que eu fazia jus à fama de artista na culinária, foi convocado para ir num helicóptero socorrer alguns camaradas que tinham sido alvo de um emboscada.
Tira Linhas equipa-se e depressa estava no ar e passado pouco tempo já estava no local do acidente. O médico que o acompanhava logo ia decidindo o que fazer com cada um daqueles pobres soldados ali amontoados num recanto, enquanto muitos tiros se ouviam, resultado da perseguição entretanto movida aos "turras". O Helicóptero não parava, num vai vem contínuo a levar feridos para o hospital de campanha... Tira-Linhas e o médico continuavam a volta , enquanto uma máquina abria uma vala para enterrar os mortos sem nome num escaramouço de cadáveres em vala comum.
Decidiram confirmar os mortos para os enterrarem e não ficarem vestígios.
Vários outros soldados e um unimog seguiam-nos a ele e ao médico e conforme o médico dizia: "este está morto", logo dois ou três soldados o atiravam sem qualquer zelo para cima do unimog e assim se iam amontoando num escaramouço entrópico. Como calhasse é que ficavam... Numa das decisões do médico, porém, o "este está morto" teve resposta: «não tá siô, só tá muito ferido". Logo um dos soldados:´«oh preto dum cabrão sabes mai có médico? ( perdoe-se-me a violência da linguagem, mas foi assim mesmo) se ele diz que tás morto, tás morto e mainada» e já ia a pegar-lhe para o atirar para cima dos outros. Aí Tira Linhas, intervém: "que é lá isso?" Ajoelhou-se junto do ferido constatou da gravidade dos ferimentos e foi então que mostrou todas as suas competências, deixando todos de boca aberta. Era assim Tira Linhas.

Ementa daquela noite: Polvo à Algarvia que Tira Linhas tinha trazido de Lisboa

1- Coza-se o polvo - quanto maior e rosa claro for, tanto melhor -sem sal e apenas com uma cebola grande em tacho com pouca água - o polvo solta quase a água para a sua cozedura -; Demora cerca de 40 a 50 min de fervura viva.

2-Tire-se para um crivo e deixe-se arrefecer; reserve-se a água da cozedura

3- Miguem-se às rodelas umas boas 4 cebolas para um tacho largo com o azeite considerado necessário: puxem-se bem até alourarem tendo o cuidado de não deixar queimar,

4- Juntem-se tomate sem pele e uma camada de batatas também às rodelas largas, uma primeira camada de polvo e um bom ramo de salsa espalhado por cima a toda a largura do tacho

5- Acamem-se alternadamente tomate batatas e polvo, de forma a que acabe com batatas.

5.1 - Se houver, junte-se miolo de camarão

6- Reduza-s o lume e deixe-se apurar

7- Quando as batatas estiverem quase cozidas (engroladas) cortem-se dois pimentos às rodelas , rectifiquem-se temperos: sal, picante ... deite-se um copo de vinho branco e abafe-se.

8- Deixe-se acabar de apurar

9- Pique-se um ramo de coentros que se atirará por cima quando estiver a ser servido

10 - Come-se com prazer e com algumas bocas à mistura.


BOAS FESTAS: O MELHOR DOS NATAIS PARA TODOS OS BASAGUEDEIROS!

xxxiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiGGGGGGGGGGGGGRAAAAAANNNNDDDEEEEE!

5 comentários:

António Serrano disse...

Que texto! Uma AULA, Professor!
Com que então a certeza é inimiga da verdade?! Esta é para nunca ser esquecida. Mais, é para ser sempre lembrada. E há por aqui muita amnésia.
Depois, ainda ontem, "Ó Mulher, arranja-me uma receita de polvo" ou para a empregada, aqui da beira-mar "Ó D. Josefa, ensine-me forma de levar um polvo bem 'à certa'."
Palpite daqui, achega dali... nada que entusiasmasse. Mas há cada uma: o pronto-socorro foi-me enviado, por este meio, lá bem da nossa Beira, e "vai ser canja"! Qualquer dia, eu conto. Se sobrar. O que não garanto.
Obrigado. Boas festas.

Zé Morgas disse...

Por razões que o coração me dita, ando decidido a fazer "saltar" a minha panelinha de ferro de cima do fogão.
Que rica receita, para começar...e impressionar.
Boas Entradas, em 2010 a todos os que como eu, esta boa leitura dos trechos do Baságueda, a tristeza cura.

João Luis disse...

Boas Entradas em 2010 , e vai o Baságueda para o seu 5ºano de vida ..um blog agradável,aveludado e produzido apartir de duas excelentes castas. De cor xendra rubi , deve ser sempre lido com calma e ponderação . Poderá eventualmente ser acompanhado ao som uma boa música á sua escolha de preferência som nacional.

pratitamem disse...

Gosto muito desse toque suave do meu amigo, João Luís. É uma coisa que me satisfaz!.. Fico satisfeito, eu não diria melhor!

pratitamem disse...

A suavidade dos assuntos, é sempre relativa, tipo o nosso modo, de ver o filme. Faz dois dias como se diz sem sotaque, ainda na nossa Aldeia, fui ver o Avatar, com a minha mulher, como ela gosta que eu diga! (não gosta esposa?)eu achei maravilhoso... ela gostou, dentro do genero, não sabia-mos como seria. O Jantar no Italiano foi excelente. O filme foi em momentos diferentes e a posterior referênciado pelos dois, em situações diversas, a Pergunta? estarei Apaixonado pelo filme? Maraviloso?? respondo eu. Na verdade só vendo, 3d e tal necessário predesposição. vale a pena ver. Hoje estou na Aldeia "sosinho" uns dias, e vale a minha mãe, mais o cigano a esticar a corda pra por a lenha no meu quintal, mais eu a ser mau, não lhes dou Burros, com dentes sãos,(Dizia o meu avô antes da Koia) sendo atão tão tarde, vou a ver se durmo!.